Devemos começar a tratar os pequenos mineradores como empreendedores adultos e responsáveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

“Devemos começar a tratar os pequenos mineradores como empreendedores adultos, consumidores de serviços e seres humanos responsáveis que precisam da atividade econômica da indústria extrativa mineral local para sobreviver e gerar emprego .”

Mas afinal, o que significa tratar os pequenos mineradores como empreendedores adultos?

Existem várias dimensões acerca deste tema e para fazer esta reflexão, vou seguir em linha com o conceito da responsabidades social e aprendizagem, que está absolutamente conectado com a exploração mineral e recuperação de áreas degradadas pela atividade minerária, agilidade e cuidado com o meio ambiente as pessoas nas comunidades vizinhas .
Estimular a autonomia, responsabilidade e aprendizagem são caminhos para a organização de um novo ciclo de desenvolvimento na mineração que quer que empreendedores adultos ajam como responsabilidade e de forma legal . Para isso, é preciso tratá-los como tal, ou seja, proporcionar um ambiente e condições para que possam fazer suas escolhas, principalmente acerca de seu desenvolvimento com responsabilidades e sustentabilidade econômica .
Como líderes, devemos criar condições para que a aprendizagem aconteça por meio de um ambiente de confiança e transparência entre as pessoas e os órgão públicos de fiscalização e controle das operações .

Se em uma atividade o que predomina são o medo e a punição sobre os erros cometidos, não estamos facilitando o caminho para a reflexão e os aprendizados sobre estes erros. Nem estamos criando um ambiente propício ao desenvolvimento de pessoas, com confiança necessária para que essas pessoas se permitam experimentar, aprender, errar, reaprender e assim por diante.

  Mineradora Ligga inicia atividades em Parauapebas

Na mineração a aprendizagem é ativa e dinâmica!

Ninguém aprende algo se assim não quiser, sem dedicar atenção, interesse, vontade e sentimento. A forma como fomos educados, na educação tradicional, onde nos colocaram num lugar para absorver conteúdo de forma passiva, nos fez acreditar que somos ensinados.

Porém, nosso corpo e cérebro precisam se mobilizar para que a gente consiga acessar o conhecimento e refletir para agir. E essa mobilização interfere no processo de retenção de informação, porque é necessária motivação para aprender e condições de trabalho regularizada .

Ser humano adulto só muda se reconhecer o benefício.

A importância da aprendizagem ativa e a regularização da atividade minerária.

Nossa crença de que precisamos ser ensinados, ou até mesmo comandados, está associada à infantilização e ilegalidade .

Fomos ensinados numa educação do garimpo tradicional, que não respeita sequer nossos limites nossas necessidades básicas de sobreviver regido pelo olho por olho dente por dente.

Passamos por anos recebendo somente conteúdos prontos e degradantes , para depois entrarmos num processo de repetição porque aprendemos que este é o “certo”.

O ideal é criar condições para que a aprendizagem aconteça pelas próprias escolhas e interesses e estimular competição, não existe mais o individualismo o espírito coletivo predomina nas cooperativas , medo ou atritos sem razão de ser. “Pesar menos a mão na cabeça ” em situações de conflitos que devem prevalecer o equilíbrio, inteligência emocional e harmonia.

  Komatsu abre as portas a alunos do Centro Universitário FMU

Cuidar dos pequenos mineradores sob o olhar de construção de relações mais saudáveis e empáticas, com comunicação simples, direta e honesta.

Promover a inclusão econômica e social e exercer o direito de trabalho

Antes de ensinar, é preciso ter consciência da própria ignorância e reconhecer que não sabemos tudo. Precisamos envolver os pequenos mineradores no processo, sair do modelo de comando e controle ineficaz e passar a assumir uma postura de empatia, com estratégias de desenvolvimento de empreendedores da mineração  simples e claras.

Deixar que os pequenos mineradores façam as escolhas sobre suas jornadas de aprendizagem é o primeiro passo para tratar adultos como adultos.

A seguir, confira nossa lista com 8 passos que auxiliam nesse processo de emancipação do pequeno minerador e suas cooperativas enquanto empreendedores adultos e responsáveis :

1. Aprender com os erros
2. Enfrentar os próprios problemas, sem vitimismo
3. Nutrir consciência sobre suas escolhas e suas consequências
4. Compreender e respeitar como cada um prefere aprender
5. Adquirir segurança para investir em iniciativas que não dependam da tutela antecipada
6. Estabelecer objetivos claros e trabalhar para alcançá-los
7. Informar-se antes de opinar e fazer juizo de valores
8. Sair de sua zona de conforto e otimismo , sempre!
Sim, precisamos criar uma cultura e um ambiente que favoreçam a aprendizagem e a ação madura frente às responsabilidades de recuperação de pilha de estéril e bota fora bacias de rejeito.
Precisamos tratar adultos como adultos. Incentivar a autonomia e deixar que profissionais tomem decisões sem microgerenciamento e controles desnecessários.

  Komatsu abre as portas a alunos do Centro Universitário FMU

Acreditar no potencial do setor mineral e valorizar as conquistas é um caminho saudável para ajudarmos a aflorar a melhor versão do novo ciclo da mineração na região de Carajás.



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas