Pará: GREVE dos bancários começa no dia 6 (Terça)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Aprovada por unanimidade, GREVE no Pará começa no dia 6
Com o auditório do Sindicato dos Bancários do Pará lotado, bancários e bancárias presentes na assembleia geral realizada na noite desta quinta-feira (1º/10) aprovaram a orientação do Comando Nacional deflagração de greve nacional da categoria, por tempo indeterminado, a partir do dia 6 de outubro.

Para os trabalhadores, era impossível aceitar a proposta apresentada pela Fenaban de 5,5% de reajuste salarial e abono de R$ 2.500,00 não incorporado ao salário e nem às demais verbas salariais.

O Comando Nacional dos Bancários ressalta que desde a entrega da minuta, em 11 de agosto, aguarda que a Fenaban faça uma proposta que contemple o reajuste do salário dos bancários pela inflação do período acrescido de um ganho real que valorize os trabalhadores, além de outras reivindicações.

Porém, diante do retrocesso proposto pelos bancos e do desrespeito apresentado pelos banqueiros nas mesas de negociações, o Comando Nacional dos Bancários indicou rejeição da proposta e aprovação de greve a partir do dia 6 outubro.

Os representantes dos bancários enviaram carta à Federação dos Bancos, nesta quarta-feira (30), reforçando que estão abertos a ouvir propostas neste sentido.

“Essa proposta não repõe sequer a inflação de 9,88% acumulada no período, e também não responde às reivindicações de mais contratações, melhorias de condições de trabalho e de segurança nas agências, igualdade de oportunidades, dentre outras demandas. Por isso, a partir do próximo dia 6 iniciaremos uma forte greve nacional, para derrotar a ganância dos banqueiros e garantir nossos direitos. Convocamos toda a categoria a construir uma greve forte em todo país, pois somente assim seremos vitoriosos”, destaca a presidenta do Sindicato dos Bancários do Pará, Rosalina Amorim.

“Agora é hora de ir a luta, de parar todas as agências, de a categoria estar unificada, coesa, e com o espírito combativo e aguerrido que é a nossa marca histórica, pois com organização, unidade e muita luta conseguiremos avançar em nossas reivindicações por melhores salários e melhores condições de trabalho. Vamos à luta até a vitória”, conclama o secretário executivo da Contraf-CUT, Adilson Barros.

Organização da greve – Na próxima segunda-feira (5), às 19 horas, na sede do Sindicato em Belém e nas subsedes de Marabá e Santarém, haverá reunião com a categoria para organizar o início da greve no dia 6. Desde já todos e todas estão convocados.

# Confira as reivindicações da categoria:

Reajuste salarial de 16%. (incluindo reposição da inflação mais 5,7% de aumento real);
PLR: 3 salários mais R$7.246,82;
Piso: R$3.299,66 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último);
Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$788,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional);
Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários;
Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas;
Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários;
Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós;
Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários;
Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).
# Confira a proposta dos bancos rejeitada em assembleia:

Reajuste de 5,5% (representa perda de 4% para os bancários em relação à inflação de 9,88%);
Piso portaria após 90 dias – R$ 1.321,26;
Piso escritório após 90 dias – R$ 1.895,25;
Piso caixa/tesouraria após 90 dias – R$ 2.560,23 (salário mais gratificação, mais outras verbas de caixa);
PLR regra básica – 90% do salário mais R$ 1.939,08, limitado a R$ 10.402,22. Se o total ficar abaixo de 5% do lucro líquido, salta para 2,2 salários, com teto de R$ 22.884,87;
PLR parcela adicional – 2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.878,16;
Antecipação da PLR – Primeira parcela depositada até dez dias após assinatura da Convenção Coletiva. Pagamento final até 01/03/2016;
Regra básica – 54% do salário mais fixo de R$ 1.163,44, limitado a R$ 6.241,33 e ao teto de 12,8% do lucro líquido – o que ocorrer primeiro;
Parcela adicional – 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2015, limitado a R$ 1.939,08;
Auxílio-refeição – R$ 27,43;
Auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta – R$ 454,87;
Auxílio-creche/babá (filhos até 71 meses) – R$ 378,56;
Auxílio-creche/babá (filhos até 83 meses) – R$ 323,84;
Gratificação de compensador de cheques – R$ 147,11;
Requalificação profissional – R$ 1.294,49;
Auxílio-funeral – R$ 868,58;
Indenização por morte ou incapacidade decorrente de assalto – R$ 129.522,56;
Ajuda deslocamento noturno – R$ 90,67.

 



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas