Produção da indústria tem queda de 2,4% em novembro, diz IBGE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Na comparação com 2014, recuo de 12,4% é o maior desde 2003.Indústrias extrativas caíram 11%, influenciadas pelo desastre em MG.
A indústria nacional mostrou sua sexta queda mensal seguida em novembro. Na comparação com outubro, o recuo foi de 2,4%, segundo informou nesta quinta-feira (7) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda do penúltimo mês do ano foi a mais forte desde dezembro de 2013, quando a retração chegou a 2,8%.

Já em relação ao mesmo período de 2014, o tombo da indústria brasileira foi maior, de 12,4%. Considerando apenas o mês de novembro, essa queda anual é a maior da série histórica do IBGE, que tem início em 2003.

A maioria dos segmentos da indústria pesquisados pelo IBGE teve resultados negativos, com destaque para as indústrias extrativas, de minério, borracha, por exemplo, que viram sua produção cair 10,9%, bem como as de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que recuaram 7,8%.

Nesse mês, o desempenho dessas indústrias foi influenciado negativamente pelo rompimento da barragem de mineração em Minas Gerais e pela greve dos petroleiros, de acordo com o IBGE.

 

Também diminuíram as produções de itens alimentícios (-2,2%), produtos de minerais não-metálicos (-3,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-6,0%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-3,9%) e produtos do fumo (-14,9%), entre outros.

Na contramão, o setor de veículos, que vinha mostrando números negativos, mostrou alta de 1,3%, seguido pelo de metalurgia (1,4%), de bebidas (1,4%) e de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (0,7%).

Entre as categorias econômicas, como são divididos os setores da indústria, bens intermediários tiveram a maior queda, de 3,8%. Bens de consumo duráveis recuaram menos, 3,2%, assim como bens de capital, que caíram 1,6%. O setor de bens de consumo semi e não-duráveis foi o único a mostrar um número positivo (0,4%).

Tombo maior
Na comparação anual, quase todos os ramos também registraram números negativos. O pior deles partiu da indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias (-35,3%). Também caíram as produções de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-12,0%), indústrias extrativas (-10,5%) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-34,2%), entre outros.

No ano, de janeiro a novembro, a indústria sofreu uma baixa acumulada de 8,1%, indicando que terminará o ano com desempenho negativo. Nos últimos 12 meses, o setor tem perdas de 7,7%.

Apesar de ter mostrado uma pequena alta de novembro para dezembro, o setor de veículos teve uma das maiores quedas e acabou exercendo o principal impacto sobre o desempenho da indústria até novembro.

Também recuaram os ramos de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-29,6%), máquinas e equipamentos (-13,8%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-5,8%), metalurgia (-8,5%), produtos alimentícios (-2,8%) e produtos de metal (-10,9%).

A única taxa positiva partiu das indústrias extrativas, que cresceram 4,7%, impulsionadas por minérios de ferro e óleos brutos de petróleo.



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas