Colonos mantém bloqueio ao projeto S11D

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Os manifestantes montaram acampamento na estrada e dizem que só saem do local quando obtiverem resposta da Vale

Cerca de 1.500 colonos de seis acampamentos localizados no entorno de projetos da Vale interditam desde as 4 horas desta segunda-feira (22) o acesso ao projeto S11D, em Canaã dos Carajás. O bloqueio, que segundo os manifestantes é por tempo indeterminado, tem por objetivo forçar a mineradora a discutir com eles a situação de cada área ocupada, assim como cobrar a indenização pelas plantações que teriam sido destruídas, no início deste mês, durante o processo de reintegração de posse do acampamento Grotão do Mutum, que fica na Fazenda São Luiz, em Canaã dos Carajás.

Os manifestantes montaram acampamento na estrada e dizem que só saem do local quando obtiverem resposta da Vale e também do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), já que eles cobram do instituto que o Terra Legal faça o levantamento das terras que estão no entorno de projetos minerais, para saber se têm ou não título de posse. Eles alegam que a maioria das áreas é terra da União e foi adquirida de forma irregular pela mineradora.

Na pauta de reivindicação, os colonos querem ainda que o Incra libere de imediato cestas básicas para as famílias acampadas; que o prefeito de Canaã dos Carajás resolva o problema das famílias sem moradia, retiradas de uma área que ocupavam na cidade; e que o juiz de Canaã reveja sua decisão a favor da Vale, que levou a desocupação da área Grotão do Mutum.

Segundo Paulo Pereira, um dos representantes dos colonos, tudo o que eles querem é ter uma terra para plantar e sustentar suas famílias. Ele diz que a desocupação do Grotão do Mutum foi muito violenta e difícil para as famílias verem o que haviam plantado ser destruído.

Ele garante que em torno de 100 hectares de roças com arroz, feijão, milho, mandioca, abóbora, mamão, maracujá e hortaliças foram destruídos. “Por conta disso, estamos aqui lutando pelos nossos direitos”, ressalta Paulo Pereira, dizendo que nem o município de Canaã, nem o Estado e nem o Incra têm dado a devida atenção aos problemas que estão acontecendo no campo.

“Há seis meses que o Incra nos garantiu que ia fazer a medição da área do Grotão do Mutum para ver o que era terra titulada e da União, mas até hoje isso não aconteceu”, protesta, dizendo que a manifestação que estão fazendo é de forma pacífica e tem por único objetivo lutar por um pedaço de terra para plantar.

Acusação

As áreas de acampamentos são: Grotão do Mutum, Planalto Serra Dourada, Açaizal, Cristalino, Sossego e Axixá. Acompanhando a situação dos acampados na região, o sociólogo e pesquisador especialista em conflitos na Amazônia, Raimundo da Cruz Neto, diz que desde 2000 que a mineradora Vale vem se apropriando das terras no município de Canaã dos Carajás.

Segundo ele, de início, a justificativa da empresa era que aquisição seria para a implantação dos projetos Sossego e Níquel do Vermelho, este último até hoje não foi implantado, porque, ressalta, a mineradora comprou o projeto de níquel em Ourilândia do Norte. Depois, se apropriou de mais áreas, agora para implantar o S11D e agregou mais terras ainda para implantar o Projeto Cristalino, em Curionópolis, mas com abrangência também para Canaã.

“Com isso, os homens do campo foram sendo expulsos. É bom ressaltar que a Vale comprou cerca de 150 lotes de agricultores que foram assentados pelo Getat, que agora é o Incra, em 1986 e 86. Com isso, Canaã dos Carajás, que já foi um grande produtor de alimentos, hoje virou importador”, diz o sociólogo.

Ainda de acordo com ele, diante disso, os colonos decidiram ocupar terras que consideram improdutivas. “Até porque, parte das terras que foram tomadas dos colonos foi repassada a fazendeiros. Ou seja, as áreas que eram para estar sendo cultivadas agora servem apenas para criar boi”, destaca.

O que diz a Vale

Em nota, a Vale informa que já está tomando as medidas judiciais cabíveis para desobstrução da via. Confira  a integra do posicionamento da empresa:

“A Vale esclarece que a Justiça Estadual concedeu liminar de reintegração de posse da fazenda São Luiz, de propriedade da Vale, adquirida legalmente em 2013, visando o atendimento do Plano de Compensação Ambiental exigido pelo IBAMA. O imóvel possui um acervo representativo do seu ecossistema de canga, extremamente raro e com atributos específicos tais como espécies nativas, cavernas em formação ferrífera, nascentes de recursos hídricos e sua biodiversidade é de grande importância como local a ser protegido.

A Vale informa que políticas públicas voltadas para a reforma agrária não competem à iniciativa privada. Dentro da sua política de responsabilidade social, a empresa tem mantido o diálogo com o Incra e o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA) e realizado diversas ações no município de Canaã voltadas para o fomento da atividade agrícola.

(Tina Santos – CT online )



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Uma resposta em “Colonos mantém bloqueio ao projeto S11D”

Todos essas pessoas que esta nesse movimento já ten suas terras, são minorias as que não tem , acho justo alguém lutar assim pelos seus direitos, mais há mutas pessoas lá que só querem mais do que já possuem, ou visando receber dinheiro da mineradora .

Deixe uma resposta

Ofertas