Colégio Equipe perde na justiça de Canaã dos Carajás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Colégio Equipe em Canaã dos Carajás Foto: Rafa Ferreira

A  justiça de Canaã dos Carajás derrubou liminar que prorrogava o já extinto contrato entre a Vale e o Equipe para prestação de serviços educacionais no município. A liminar, expedida no final da última semana, se baseava na alegação de que a Vale cometera irregularidades na hora de contratar nova empresa para gerir a escola em Canaã. Mas o juiz entendeu diferente.

A liminar determinava que a mineradora deveria estender o contrato com o Equipe e que a direção do colégio tinha liberdade para ocupar o prédio onde funciona a escola. Agora, já sem respaldo jurídico, a empresa deve desocupar o local imediatamente.

“ISTO POSTO, DEFIRO O PEDIDO E DETERMINO A SUSPENSÃO DA EFICÁCIA DAS DECISÕES AGRAVADAS, ATÉ ULTERIOR DELIBERAÇÃO DESTE RELATOR OU DA TURMA JULGADORA.”

No texto que justifica a decisão, o juiz Amilcar Roberto Bezerra Guimarães afirma que a questão envolvendo as duas partes não é complexa e a considera, inclusive, simplória. O magistrado entendeu que o Colégio Equipe não aceitou ser trocado por outra empresa que apresentou melhores condições e atendeu às expectativas da contratante e, por conta disso, vem tentando usar, de forma indevida, a máquina judicial paraense para impor sua vontade em continuar ou renovar, de forma forçada, um contrato que já está extinto.

“Inicialmente, convêm deixar evidente que a agravante e a agravada, não são pessoas jurídicas de direito público, bem como verifica-se que o contrato de prestação de serviços educacionais, objeto do litígio, não envolve ente público ou mesmo verba pública.”

O juiz entende que a Vale, por ser uma empresa privada, não precisa de forma alguma realizar concorrência pública para contratar serviços, mas assim o fez para incentivar a apresentação de melhores propostas e serviços que atendessem seus exclusivos e privados propósitos. “Propósitos legítimos e louváveis” considerou. O magistrado também destaca que as alegações que fundamentam a liminar não se sustentam, por isso decidiu pela sua revogação.

  Torneio de Xadrez reúne praticantes de todas as idades em Canaã dos Carajás

Veja aqui a decisão da Justiça na íntegra

Amilcar Roberto também citou que “forçar” a Vale a realizar novo contrato ou manter o já extinto é uma afronta direta à autonomia de uma empresa privada. Ele lembrou ainda que a mineradora já protocolou ação de reintegração de posse no imóvel que hoje está ocupado pelo Equipe.

Deixando Canaã pela porta dos fundos

A decisão judicial por uma causa que parecia óbvia expôs o Colégio Equipe a uma vergonha a nível estadual. Ao forçar uma situação claramente insustentável, a empresa deixa Canaã dos Carajás pela porta dos fundos. Durante longo de toda a semana, por meio de suas redes sociais, o Colégio divulgou que já estava fazendo matrículas, convocou profissionais e até divulgou nota de repúdio contra a Vale. Nem ex-funcionários e nem pais de alunos atenderam aos chamados para o trabalho e matrículas feito pela instituição.

É importante destacar ainda que já há uma decisão da Justiça do Trabalho que obriga o Equipe a fazer o acerto rescisório com mais de 250 profissionais demitidos. Até o momento, a escola não se manifestou sobre estes pagamentos, nem sobre as liberações de chaves para FGTS e guias para Seguro Desemprego. No entanto, a mesma decisão da Justiça do Trabalho prevê bloqueio de créditos da empresa junto à Vale para garantir o pagamento dos profissionais demitidos.

  3ª Mostra Municipal de Foguetes reúne mais de 2 mil alunos

A empresa tem 15 dias para recorrer da decisão.

Com informações do GazetaCarajás



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas