A mineradora Vale, maior produtora global de minério de ferro, registrou lucro líquido de R$ 60 milhões no segundo trimestre, queda de 98,3% em relação ao mesmo período de 2016, quando foram registrados R$ 3,585 bilhões. Segundo o diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani Pires, o resultado foi impactado pela desvalorização do real e seu efeito sobre a dívida da empresa. No primeiro trimestre deste ano, a empresa havia registrado lucro de R$ 7,891 bilhões.

A queda no lucro se deu apesar de um recorde histórico na produção de minério em Carajás, no Pará, segundo a empresa.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de R$ 8,834 bilhões, alta de 7,4% ante os R$ 8,228 bilhões um ano antes, porém com recuo de 34,7% ante os R$ 13,52 bilhões no 1º trimestre deste ano, principalmente devido à queda dos preços do minério de ferro. Entretanto, esse resultado foi parcialmente compensado por maiores volumes de vendas de minério de ferro e carvão.

A receita líquida da empresa no segundo trimestre foi de R$ 23,363 bilhões, 8,3% maior que a registrada no mesmo trimestre de 2016 (R$ 21,576 bilhões), mas 12,6% menor em comparação com o trimestre anterior (R$ 26,742 bilhões).

A dívida líquida da empresa ficou em US$ 22,122 bilhões no segundo trimestre, queda de 2,87% ante os US$ 22,777 bilhões registrados em março. No segundo trimestre de 2016, o valor foi de US$ 27,508 bilhões.

A geração de caixa livre foi de US$ 2,151 bilhões entre abril e junho, apesar da forte queda do minério de ferro. A Vale afirmou no seu resultado que no final de 2017 atingirá um nível de alavancagem confortável.

“O mais importante foi que a geração de caixa foi muito forte no trimestre e pagamos US$ 1,5 bilhão em dividendos e ainda assim reduzimos a dívida em mais de US$ 650 milhões”, afirmou Siani.

Os investimentos totais da empresa no período foram de US$ 894 milhões, o menor para um trimestre desde o terceiro trimestre de 2006, segundo a companhia. A queda foi de US$ 406 milhões ante mesmo trimestre de 2016, quando ficou em US$ 1,3 bilhão, e de US$ 219 milhões ante o 1º trimestre, quando ficou em US$ 1,113 bilhão. O segmento de minerais ferrosos representou cerca de 95% do total investido nos projetos do período.

O projeto S11D, em Canaã dos Carajás, no sudeste do Pará, entrou em operação comercial no início deste ano e contribuiu com um forte resultado para a produção da empresa.

A mineradora produziu no segundo trimestre 91,849 milhões de toneladas, alta de 5,8% ante o mesmo período do ano passado, principalmente devido à aceleração das atividades na mina S11D.

Em 2016, a empresa teve lucro líquido de R$ 13,3 bilhões contra um prejuízo de R$ 44,2 bilhões em 2015.