O diretor-presidente da mineradora Vale, Murilo Ferreira, não renovará o seu contrato atual que termina em 26 de maio deste ano, informou a empresa nesta sexta-feira, após a companhia ter anunciado no início da semana um acordo histórico de seus principais acionistas para pulverizar o controle e ampliar a governança.

A Vale, maior produtora global de minério de ferro, não aponta na nota ao mercado quem poderá ser o substituto do executivo. As ações preferenciais da empresa operavam em baixa de cerca de 2 por cento, às 10h37.

Ferreira, nomeado para o cargo em maio de 2011, liderou a Vale durante um período de turbulência na indústria da mineração mundial e enfrentou alguns dos momentos mais difíceis da história da empresa, que tinha pesados investimentos em um período de preços mais baixos do minério de ferro.

Com as cotações da sua principal commodity em recuperação, a Vale avalia que terá um 2017 mais favorável, após ter anunciado um quarto lucro trimestral seguido e também divulgado pagamento de remuneração aos acionistas de mais de 4,5 bilhões de reais.

Com mais de 30 anos de experiência no setor de mineração, Ferreira “deixa um legado para todas as futuras gerações de executivos e funcionários da Vale”, afirmou o diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores da companhia, Luciano Siani, no comunicado ao mercado.

Na gestão de Ferreira, a Vale concluiu o empreendimento de minério de ferro S11D, o maior projeto da história da companhia, e voltou o foco para ativos essenciais, realizando desinvestimentos que totalizaram mais de 15 bilhões de dólares, simplificando seu portfólio.

Ele também enfrentou a crise gerada pelo rompimento da barragem da Samarco, joint venture da Vale com a BHP Billiton, que deixou 19 mortos em Mariana (MG), centenas de desabrigados e poluiu o importante rio Doce, em novembro de 2015.