Instalações elétricas antigas, precárias, com emendas e com aterramento irregular podem estimular o fenômeno conhecido como fuga de energia, que acontece quando há problemas no isolamento das fiações e conexões. Além do desperdício e o uso de energia elétrica de forma irracional, os cidadãos também devem atentar para as falhas nas instalações internas, pois todos são fatores que podem influenciar no valor da conta de energia.

A exemplo do que ocorre nos vazamentos de água, a evasão de corrente também é registrada pelo medidor, e o consumidor paga por algo que não utilizou.Para saber se há algo de anormal, deve ser analisado o consumo registrado em nas contas mensais. Caso haja uma diferença muito grande e súbita, sem que tenha acontecido uma mudança na rotina, como, por exemplo, a compra de um equipamento ou de algo que exija um gasto maior de energia, então é provável que exista algum problema nas instalações elétricas. Outra situação que pode ocorrer é o consumo aumentar aos poucos todos os meses, mesmo que não haja uma justificativa.

De acordo com o executivo da área de Recuperação de Energia da Celpa, River Gomes, há algumas orientações básicas para que a situação seja resolvida. “O que recomendamos é que seja feita uma revisão das suas instalações elétricas a cada cinco anos, mas isso pode variar de acordo com o material que ele usou. Se for de boa qualidade, vai durar mais tempo e, provavelmente não haverá fuga”, explica o executivo.

As instalações elétricas internas são de responsabilidade do cliente, então, somente após verificar com um eletricista particular que não existem problemas internos, o consumidor deve acionar a concessionária de energia. “A equipe da empresa pode ir ao local e ver se o problema é no medidor. Caso o problema seja esse, o equipamento será trocado sem ônus para o cliente”, informa River.

SEGURANÇA – A fuga de corrente elétrica ainda pode causar outros transtornos além dos financeiros. É necessário ter muito cuidado com algumas situações, como, por exemplo, quando a fuga ocorre em emendas nas instalações elétricas internas. Isso pode causar choque e dependendo da situação pode até acarretar em um incêndio.

DICAS:

– Evite emendas com fitas que não sejam isolantes, como a crepe, durex e esparadrapo.

– Não deixe os fios desencapados, principalmente em local sujeito a alagamento.

– As instalações elétricas precisam passar por revisão e manutenção preventiva realizada por profissional qualificado, no mínimo a cada cinco anos.

– Jamais utilize moedas, fios, lâminas de estanho ou alumínio no lugar de fusíveis e disjuntores.

– Evite o uso de fios muito finos para a instalação dos chuveiros e siga sempre a fiação recomendada pelo fabricante.

 

MAIS SOBRE A CELPA:
Alguns eletrodomésticos representam até 40% do consumo de energia

Atendimento da CELPA revolta consumidores, que pagam taxas altíssimas

Consumo de Energia em Iluminação Pública chegam a R$1 milhão mensal em Canaã dos Carajás

Serviços da CELPA continuam revoltando consumidores, que pagam taxas altíssimas

Canaã dos Carajás ganha nova subestação de energia

Sistema da Celpa inoperante constrange clientes e causa transtornos