De segunda melhor do país para investimentos a cidade que desaparece do ranking. Em três anos, a realidade do município de Parauapebas, que em 2014 aparecia no ranking das melhores cidades para investir em negócios, atrás apenas de Vitória, no Espírito Santo, agora é marcada pelo crescente pessimismo da população, afetada pelo baixo crescimento econômico e desemprego alarmante.

Encravada no sopé da Serra dos Carajás, a maior reserva de minério de ferro do mundo, Parauapebas ganhou destaque nacional em 2014 com números exuberantes o município com os melhores indicadores de desenvolvimento econômico do país, de acordo com o levantamento da consultoria Urban Systems para EXAME. Em 2015, o município caiu para 20º e no ano passado foi empurrado para 83º no ranking das 100 melhores cidades do Brasil para investir em negócios.

Desde 2014, a Urban Systems elabora, a pedido de EXAME, um ranking dos 100 municípios brasileiros que reúnem as condições mais favoráveis para a instalação de empresas. São considerados os que têm mais de 100 000 habitantes. Na última quinta-feira (5), a revista divulgou seu mais recente ranking e o município de Parauapebas que a riqueza tem prazo de validade desapareceu do mapa de investimentos.

O levantamento avaliou uma infinidade de indicadores de saúde, educação, saneamento, segurança, infraestrutura, crescimento econômico, mercado de trabalho, gestão fiscal, entre outros. Cada indicador tem um peso conforme sua importância e atualidade, totalizando 27 pontos.

O principal problema de Parauapebas está por ocorrer. O minério de ferro é um recurso natural finito e o fim pode estar mais próximo do que se imagina. O desafio é achar uma saída para quando as minas secarem.

Equipe de Redação Portal Canaã