A Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) vai ofertar, em 2018, o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas no Campus de São Félix do Xingu. A meta é oferecer pelo menos 30 vagas já no segundo processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada, o SiSU 2, previsto para junho do ano que vem.

Na quarta-feira (1°), o reitor da Unifesspa, Maurílio de Abreu Monteiro, se reuniu com pró-reitores e representantes do Instituto de Estudos do Xingu (IEX) para definir os próximos passos no processo de implantação da nova licenciatura, que deverá produzir sinergia com o campo das Ciências Agrárias. A ideia é criar uma estrutura curricular que dialogue com os próximos cursos a serem implantados no Campus.

“Com a Licenciatura em Ciências Biológicas, a Unifesspa segue avançando no campo da Educação e já utiliza parcela dessa estrutura para um próximo curso de bacharelado na área das Ciências Agrárias”, adiantou o reitor, sugerindo a criação de uma comissão de trabalho para auxiliar o Instituto nesse processo de articulação entre as diferentes áreas do conhecimento, visando a melhor estruturação dos editais de concurso para professor, que serão lançados ainda este ano. A proposta é que a comissão também possa nortear a construção dos laboratórios de ensino e pesquisa.

Com a liberação de códigos de vagas para a contratação de novos professores e técnicos, os campi de São Félix do Xingu, Santana do Araguaia, Xinguara e Rondon do Pará serão contemplados, preferencialmente, com as vagas, fortalecendo o quadro de pessoal nos institutos e permitindo a oferta imediata dos cursos em implantação. A expectativa da Unifesspa é oferecer ao menos cinco cursos de graduação em cada campus fora de sede.

O diretor interino do IEX, Prof. Dr. Fábio Mario da Silva e a coordenadora de estágio, Profa. Dra. Elaine Ferreira Dias destacaram os avanços do Instituto, entre eles, a recente conquista de espaço para nova sede do Campus e a importância do diálogo estabelecido com a comunidade de São Félix do Xingu. “A comunidade se sentiu contemplada com o curso de Ciências Biológicas e está entusiasmada com a possibilidade de novos cursos na área de Ciências Agrárias. Por ser uma região com grande vocação agrária, esse era um anseio da sociedade local”, afirmou a professora Elaine Ferreira.