O paraense está pagando mais caro pelo botijão de gás de cozinha de 13 kg. O produto teve aumento autorizado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), e sofreu um reajuste de 6,9% nas refinarias. Segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o repasse para os consumidores chegam, em média, a 2,2%.

Com esse reajuste, o preço médio do botijão de gás em Belém ficou na casa de R$ 55. O valor mais barato encontrado pelo Dieese foi de R$ 47, enquanto o botijão mais caro estava na casa de R$ 65. Apesar deste valor elevado, Belém ainda é a capital do norte onde o botijão é mais barato.

Nas cidades do interior do estado, porém, o gás custa ainda mais caro:  em Canaã dos Carajás pesquisas realizadas revelam que agora é encontrado a até R$ 77, em  alguns locais na “Terra Prometida”, a reportagem achou o produto a R$ 75, em Redenção o botijão é vendido a R$ 81, em Paragominas o preço médio do gás é R$ 77, em Xinguara o gás custa R$ 76,50, em Conceição do Araguaia o preço médio é R$ 74 e em Altamira o valor cobrado é na casa de R$ 73,50 e na capital do minério como é conhecida a cidade de Parauapebas R$ 75.