A “Operação Integrada Canaã” do Ministério Público do Estado (MPPA) deflagrada nesta terça-feira (29) no município de Canaã dos Carajás, resultou na prisão de um delegado e dois investigadores e na busca e apreensão de documentos. Os policiais são acusados de liberarem irregularmente motocicletas apreendidas, que voltam a circular na cidade. Mais dois investigadores devem ser afastados de suas funções por envolvimento nos crimes.

As investigações iniciaram após instauração de Procedimento Investigatório Criminal (PIC) pelos promotores de Justiça de Canaã dos Carajás Rui Barbosa Lamim e Emerson Costa de Oliveira, para apurar denúncias que chegaram ao Ministério Público de que objetos de apreensão feitos pela Polícia Militar e apresentados à Polícia Civil, não estariam passando pelos procedimentos legais.

As denúncias citavam casos de motocicletas apreendidas e liberadas irregularmente e que depois seriam apreendidas novamente circulando na cidade. Algumas até utilizadas no cometimento de crimes.

O Grupo de Atuação no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado e a Divisão de Crimes Funcionais da Corregedoria da Polícia Civil cumpriram os três mandados de prisão: uma temporária de 5 dias contra o delegado Bruno Fernandes e dois mandados de prisão preventiva contra os investigadores Claudio Márcio do Nascimento e Sergio de Sousa Lago . Todos os três são lotados em Canaã dos Carajás.

A operação foi coordenada pelo promotor de Justiça Milton Menezes, do Gaeco e contou com duas equipes do MPPA e três da Corregedoria da Polícia Civil. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos três policiais presos.

Os policiais civis presos estão sendo conduzidos diretamente para o Presídio Coronel Anastácio das Neves, em Santa Izabel do Pará.

Reportagem: Edyr Falcão / Ministério Público